Um rio nasce do nada, tal como as estrelas são douradas e o fogo é incandescente. A água corre, enrola-se e serpenteia. Da nascente até à foz. A vida inteira.

Para pensar

segunda-feira, 6 de abril de 2009

II Antologia de Poetas Lusófonos




Participo na II Antologia de Poetas Lusófonos, Folheto Edições e Design, com:

Chuva de Verão
Ideias coloridas
Cereja
Lágrimas e sorrisos
Nenhum Ano Novo


A cerimónia de apresentação decorreu a 5 de Abril no Mosteiro da Batalha.

1 comentário:

Mariana disse...

Olá, Alexandre! Também participei nesta Antologia com um dos meus poemas, intitulado "Sangue". Já enviei dois poemas para serem incluídos na III Antologia de Poetas Lusófonos, agora estou ansiosamente à espera de saber se foram os dois escolhidos... :)
Se quiser, passe pelo meu blog: www.aminhapoesia-mariana.blogspot.com

Cumprimentos,
Mariana Reis