Um rio nasce do nada, tal como as estrelas são douradas e o fogo é incandescente. A água corre, enrola-se e serpenteia. Da nascente até à foz. A vida inteira.

Para pensar

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Lágrima




Chora
Cai a água da tua fonte...
Crescem as margens pela face,
o horizonte.
Deixa-te levar pelo sentimento
de envolver esse rio
da tua alma.
Fica com a feliz sensação
feita em lágrimas de tocar
fere o mal que te fez chorar.
Poderá ter sido uma flor,
pequena pérola sonhadora
preferida a sós,
Gota de tristeza
guiada no mar de sóis
guarda de muitos olhos.
Bola de cristal, luz do dia,
bela estrela caída ao mar
brilhante ao luar.
Nascente de sede
que se evapora e perde...

Alexandre Reis (XZ)

2 comentários:

renata disse...

muito lindo esse poema...beijinhosss

Sman disse...

Belíssimo este seu poema, Alexandre!

Um abraço,

s.
(Alma Minha)