Um rio nasce do nada, tal como as estrelas são douradas e o fogo é incandescente. A água corre, enrola-se e serpenteia. Da nascente até à foz. A vida inteira.

Para pensar

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Sublime



Se nada mais existe
para lá do pensamento
deixem-me viver aí sempre.
Nessa imensidão do desconhecido
que navega pelo infinito
e cresce cá dentro.

Não há nada mais sublime
do que amar cada ciúme
que tenho de mim.
Nem a vã sensatez de querer
ser mais alto que o céu
e descobrir ouro nas estrelas.

Alexandre Reis (HX)

2 comentários:

soraya disse...

Sublime é descobrir, que no ciúme existe o amor!
Lindo poema.
Beijos

Li! disse...

Lindo!!! E Verdadeiro!!
Cheguei aqui pel blog da Soraya! Quanta descoberta! Está em meus favoritos!